Descrição do Projeto

O projeto

Este projeto visa desenvolver a aprendizagem global de pensamento crítico, no ensino e aprendizagem da matemática.

Usar a matemática como veículo para desenvolver a aprendizagem global coloca as competências no centro do currículo escolar e incentiva sua priorização. O foco será a faixa etária dos 10 aos 12 anos, mas os materiais produzidos provavelmente serão adequados para uma faixa etária mais ampla.

Outputs

Os resultados pretendidos são (sendo que tudo estará disponível num único website do projeto PiCaM) um recurso de desenvolvimento profissional do professor; contribuições para a formação inicial de professores; materiais curriculares para alunos; atividades de e-twinning;

Os temas a explorar irão incluir a natureza global da matemática, a matemática na história, a etno-matemática, a numeracia crítica, assim como a relevância da matemática na perspetiva das questões sociais contemporâneas.

Os processos e a pedagogia valorizam formas de trabalho participativo, incentivando os alunos a trabalhar em conjunto, criando uma comunidade de práticas e de investigação, na qual eles experimentem um diálogo racional e exploratório sobre as coisas que sejam importantes e relevantes para eles, para os seus professores e para as comunidades e contextos onde estão inseridos. Assim, tanto a linha de trabalho pedagógico, quanto os conteúdos escolhidos apoiam o desenvolvimento de conhecimento e as disposições e as habilidades necessárias para a aprendizagem global e critica da matemática.

Competências Globais

Num mundo cada vez mais globalizado, a aprendizagem global crítica deve constituir uma parte vital da educação das crianças (OCDE, 2016, Competência global para um mundo inclusivo). A competência global inclui a aquisição do conhecimento e conscientização de questões globais e interculturais, a capacidade de aprender e conviver com pessoas de diversas origens, assim como as capacidades de interação mutuamente respeitosas, através de atitudes abertas e flexíveis.

Nos recentes padrões de migração transfronteiriça para a Europa, muitas das crianças escaparam da pobreza e da guerra e, agora, enfrentam a longa luta de adaptação à vida num novo país. As crianças dos países anfitriões precisam também de desenvolver habilidades adaptativas, para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades que o aumento da globalização acarreta.

Há uma necessidade de desenvolver a compreensão e as habilidades nas abordagens de resolução de problemas, e das mesmas para ensinar matemática de forma a promover a confiança e a apropriação dos conteúdos, com base em abordagens cooperativas e colaborativas das quais as crianças desfrutam e participam. Além disso, a investigação demonstra que a matemática está a formatar a sociedade, muitas vezes criando ou reforçando a desigualdade e a divisão social; assim, é necessária uma educação para a matemática que, a par da literacia, promova uma cidadania crítica.

Aprender Matemática

Em muitos países europeus, os resultados em matemática são baixos, com muitas crianças a relatar ansiedade e falta de autoeficácia no assunto. Além disso, as estratégias de ensino conhecidas para melhorar a aprendizagem são menos prováveis de serem usadas com alunos desfavorecidos e taxas de sucesso correlacionam-se negativamente com os níveis de pobreza. Além disso, a competência matemática é necessária para entender e interagir como cidadãos nas sociedades contemporâneas e complexas e para compreender as formas pelas quais a matemática está a formatar a sociedade, criando e reforçando a desigualdade e a divisão social.

O PiCaM visa desenvolver recursos para a sala de aula que abram oportunidades para que cada criança construa uma relação positiva e produtiva com a matéria, desenvolvendo um autoconceito e autoeficácia matemáticos elevados. Tanto os conteúdos do tópico quanto a pedagogia adotada apoiarão o desenvolvimento dos conhecimentos, atitudes, disposições e habilidades necessárias para a aprendizagem critica global no ensino da matemática.

Trabalhar com Professores

O PiCaM desenvolverá programas específicos de formação para professores em serviço e em formação inicial. O objetivo é ajudá-los na compreensão do papel que a educação pode desempenhar no combate ao racismo e à discriminação e no apoio ao sucesso das crianças migrantes; adquirir as habilidades para reconhecer e adaptar a prática em resposta à diversidade dos alunos; e desenvolver técnicas de apoio à observação, escuta e comunicação intercultural, através de técnicas aprendidas com o P4C (Philosophy for Children).

O P4C é uma abordagem baseada em questionamento e investigação, até agora pouco utilizada no ensino da matemática, que incentiva a exploração de ideias. Dá às crianças a possibilidade de ver que suas ideias têm valor e que outras ideias diferentes das suas também têm valor. Dá às crianças a oportunidade de falarem e serem ouvidas, sem a necessidade de estarem sempre certas e de desenvolver a confiança para fazer perguntas e aprender através da discussão e diálogo.